Gêmeos, mas bem diferentes

Do Observatório, por Cássio Barbosa

Já não é de hoje que que as diferenças entre Calisto e Ganimede intrigam os astrônomos. Uma olhada nas imagens dos dois satélites de Júpiter já deixa a pergunta: por que dois satélites tão parecidos em tamanho e composição podem ser tão diferentes? Parece que agora saiu uma explicação.


Ganimede e Calisto são dois dos quatro satélites galileanos de Júpiter. Ganimede, Calisto, Io e Europa foram descobertos por Galileu Galilei em 1609 numa das descobertas astronômicas que revolucionaram a ciência. Mas desde que as Voyagers passaram por lá há 30 anos, os astrônomos ficaram intrigados com as diferenças encontradas entre Ganimede e Calisto. Os dois têm quase o mesmo tamanho e uma mistura de rocha e gelo quase igual. Mas basta uma olhadela nas fotos dos dois para perceber que são bem diferentes. Como isso aconteceu?

Amy Barr e Robin Canup, do Soutwest Research Institute, propuseram uma explicação. Eles criaram um modelo no qual os dois gêmeos nasceram juntos (claro!), foram evoluindo e há uns 3,8 bilhões de anos seguiram caminhos diferentes. Mas como? Através do derretimento da crosta por impactos de cometas e a formação de um núcleo rochoso.

Mais ou menos 4 bilhões de anos atrás, ocorreu o último bombardeio pesado de cometas, como atestam as crateras da Lua. Impactos nesse período eram tão constantes que derreteram Ganimede de forma tão intensa e profunda que o calor não foi dissipado rapidamente. As rochas em Ganimede que conseguiram sobreviver afundaram para o centro. Calisto teve mais sorte e recebeu impactos menos numerosos e menos violentos – e por isso não teve episódios de derretimento.

Mas o que fez os cometas preferirem Ganimede? Foi culpa de Júpiter.

Ganimede está mais próximo de Júpiter e por isso recebeu o dobro de impactos de cometas que Calisto. Além disso, os cometas chegavam mais velozes em Ganimede, o que dá uma energia muito maior a cada choque. Cada impacto em Ganimede e Calisto fez com que a mistura de gelo e rocha da superfície derretesse e formasse verdadeiras piscinas, permitindo que as rochas mais pesadas afundassem em direção ao centro das luas. O modelo de Barr e Canup mostram que a formação de um núcleo rochoso começou em Ganimede com o grande bombardeio, mas não em Calisto. E isso fez toda a diferença.

Assim como a Terra e Vênus, Ganimede e Calisto são gêmeos e tiveram desenvolvimentos completamente diferentes. Entender como eles nasceram iguais e se tornaram tão diferentes é de grande interesse dos cientistas planetários. Mostra como o ambiente pode modificar a evolução. Esse estudo foi publicado na revista “Nature Geoscience” no final de janeiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s