Técnica permite que pequenos telescópios examinem planetas extrassolares

A busca por planetas de outros sistemas solares onde possa existir vida deve ser facilitada com uma nova técnica que permite a utilização de pequenos telescópios em terra, segundo estudo publicado nesta quinta-feira (4) pela revista científica britânica “Nature”.

Cerca de 430 planetas que giram em torno de estrelas que não o Sol foram descobertos desde 1995, mas a maioria é de gigantes gasosos como Júpiter e não planetas rochosos como a Terra.

Gigante HD 209458b, maior que Júpiter; 2º exoplaneta com água, metano e CO²


Até agora, para analisar a composição química da atmosfera destes corpos celestes chamados exoplanetas, assim como buscar moléculas que mostraram presença de vida, eram necessários telescópios espaciais ou grandes telescópios em terra.

Mark Swain, da Nasa, e seus colegas americanos, britânicos e alemães utilizaram em 2007 um telescópio terrestre de três metros, com base no Havaí, para analisar a pequena radiação infravermelha emitida pelo exoplaneta JD 189733b, um gigante gasoso situado a 63 anos-luz da Terra.

Inclusive puderam observá-lo em comprimentos de onda não acessíveis para telescópios espaciais.

Turbulências

Graças a uma técnica que permite evitar as turbulências da atmosfera terrestre, que podem interferir na imagem dos telescópios, os cientistas descobriram a presença de metano na atmosfera deste exoplaneta.

O exoplaneta JD 189733b, tal como se vê da Terra, passa às vezes diante de sua estrela ou se eclipsa atrás dela. Os astrônomos comparam seu espectro luminoso antes e depois de cada eclipse.

“Com a nova técnica de calibração, podemos distinguir as variações da luz devido ao eclipse do planeta, variações devidas às turbulências atmosféricas e aos próprios detectores”, explicou um dos autores, Jeroen Bouwman, do Instituto Max Planck para Astronomia (Alemanha), em um comunicado.

Os resultados obtidos com telescópios relativamente pequenos em terra são animadores, segundo Swain. “Isso significa que, com telescópios maiores em terra, utilizando essa técnica, será possível estudar melhor a atmosfera de planetas similares na Terra”, explicou Mark Swain.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s