Endeavour inicia retorno final à Terra

Despedida

O ônibus espacial Endeavour despediu-se pela última vez da Estação Espacial Internacional e começou seu regresso rumo à Terra.
Quando pousar, o que deve ocorrer nesta quarta-feira, a nave terá concluído sua 25ª e última missão.
O primeiro voo do Endeavour ocorreu no dia 7 de Maio de 1992. Desde então, foram 299 dias no espaço e quase 200 milhões de km percorridos.

Detector de raios cósmicos

Na Estação Espacial Internacional, astronautas da Endeavour instalaram um detector de raios cósmicos avaliado em US$ 2 bilhões.
O Espectrômetro Magnético Alfa, ou AMS (Alpha Magnetic Spectrometer), é um detector de raios cósmicos que só não é uma nave independente porque suas pesquisas precisam dos supercomputadores da Estação Espacial.
O equipamento tem a capacidade de captar entre 25 milhões e 40 milhões de partículas diariamente. Os dados podem ajudar os cientistas a desvendar segredos do universo.
Depois de ser aposentada, a Endeavour passará a ser exposta em um museu no Estado americano da Califórnia, no oeste do país.

Éééé… infelizmente nossa querida Endeavour ficará fora de atividade e virará peça de museu.
A Endeavour foi o ônibus espacial mais jovem de uma pequena frota de cinco naves que começaram a operar em 1981 e que vão deixar definitivamente de operar em julho, com a missão do Atlantis.
Durante a missão, a tripulação do Endeavour efetuou quatro excursões espaciais para fazer trabalhos de manutenção e instalar novos componentes na estação espacial.
Os seis tripulantes do Endeavour são o comandante Mark Kelly; o piloto da missão, Greg Johnson; os especialistas de missão Mike Fincke, Andrew Feustel e Greg Chamitoff, e o astronauta da Agência Espacial Europeia Roberto Vittori.

Fontes: Inovação Tecnológica e R7

Anúncios

Nasa divulga fotos da nova cúpula panorâmica

Tendo a Terra sob seus pés, o astronauta Nicholas Patrick realiza as últimas checagens na cúpula de seis janelas.


Apesar da Estação Espacial Internacional ser um laboratório grandioso onde diversas pesquisas são realizadas, faltava nela uma espécie de mirante, de onde a vista da Terra pudesse ser contemplada de forma panorâmica. Na última semana, os astronautas da missão STS-130 do ônibus espacial Endeavour foram até a Estação e completaram mais uma etapa de sua construção, instalando nela uma pequena cúpula de seis janelas, que ampliou ainda mais a capacidade da Estação.

A cúpula foi transferida do compartimento de carga do Endeavour com auxílio do braço robótico canadense Canadarm e realocada em um dos portos do recém-instalado módulo norte-americano Tranquility, anexado à Estação na mesma missão.

Transporte da cúpula, movimentada com auxílio do braço robótico Canadarm. Do lado esquerdo a nave russa Soyuz repousa acoplada à ISS. Crédito: Nasa

A cúpula foi projetada e construída pela empresa italiana Alenia Spazio e tem aproximadamente 2.5 metros de diâmetro por 1.5 de comprimento. Em terra, seu peso é de 1800 quilos. Dotada de seis janelas laterais e uma central, está equipada com protetores que se fecham para impedir danos provocados por micrometeoritos e lixos espaciais.

Batizada de Cupola, o módulo também é uma estação de controle robótico, com todos os equipamentos necessários para que o braço robótico Canadarm seja operado de seu interior. Quando em uso, Cupola permitirá aos astronautas uma visão panorâmica da Terra, de objetos celestes e de outras naves que se aproximam.

Para ver mais e outras imagens, clique aqui.

Fonte: Apolo11

Tripulantes da estação espacial recebem astronautas da nave Endeavour

Os astronautas do ônibus espacial Endeavour, acoplado na madrugada desta quarta-feira (10) à Estação Espacial Internacional (ISS), entraram no laboratório orbital e cumprimentaram os tripulantes, informou a agência oficial russa Itar-Tass.

O primeiro a abrir a escotilha e entrar na estação foi o comandante do Endeavour George Zamka, que coordenou a operação de acoplamento com o complexo espacial que circunda a Terra a quase 400 quilômetros de altura.

Tripulações da nave Endeavour (missão STS-130) e da Estação Espacial Internacional (Expedição 22, desde novembro de 2009)

Logo após Zamka, os demais expedicionários do Endeavour entraram na ISS: o piloto Terry Virts e os especialistas Nicholas Patrick, Robert Behnken, Stephen Robinson e Kathryn Hire.

Na Estação Espacial, os tripulantes cumprimentaram os integrantes da atual missão permanente da plataforma: os cosmonautas russos Maxim Surayev e Oleg Kotov, os americanos Jeff Williams e Timothy Creamer, e o japonês Soichi Noguchi.

Acoplamento

O encontro dos 11 astronautas ocorreu duas horas depois do acoplamento, tempo que ambas as tripulações precisaram para conferir o estado hermético do engate entre a ISS e o Endeavour, que transporta o módulo Tranquility.

O controle da missão no Centro Espacial Johnson, em Houston (Texas), informou que a operação foi realizada às 3h06 (horário de Brasília), momento em que o complexo orbitava sobre Portugal.

Ônibus espacial Endeavour é visto a partir da Estação Espacial Internacional (ISS), enquanto se aproxima do laboratório orbital

As últimas manobras de aproximação, muito delicadas, com as duas naves a mais de 28.000 km/h, foram realizadas manualmente pelo comandante de bordo George Zamka, um coronel dos Marines, com uma margem de manobra de cerca de 4,5 cm.

Nos últimos metros, o Endeavour se aproximou da ISS a um quarto de centímetro por segundo.

Missão

O ônibus espacial foi lançado na Flórida nesta segunda-feira (8) com seis astronautas a bordo para uma missão de 13 dias destinada a transportar e instalar os módulos Tranquility e Cupola, últimas peças grandes da ISS.

Ônibus espacial Endeavour, no momento de acoplamento à Estação Espacial Internacional (ISS), que orbita a Terra a cerca de 400 km

Além do reabastecimento de rotina, o principal objetivo da missão é a instalação do Tranquility, que ampliará o espaço de trabalho dos astronautas, e de uma cúpula de seis amplas vidraças que permitirá uma vista panorâmica da Terra e do céu sem distorções atmosféricas.

Para a instalação serão necessárias três caminhadas espaciais, de seis horas e meia cada uma, durante a missão do Endeavour.

O módulo Tranquility, construído na Itália, e a cúpula, são uma contribuição da Agência Espacial Europeia.

O Endeavour chegou à ISS em um momento em que quatro naves russas estão acopladas à estação orbital: as tripuladas Soyuz TMA-16 e TMA 17 e os cargueiros Progress M-3M e M-04.

Endeavour leva ao espaço módulo de serviço e cúpula panorâmica

Acabou não dando pra postar ontem, sorry ^^

Com apenas um dia de atraso, mas dentro da hora marcada, o Ônibus espacial Endeavour partiu na manhã de segunda-feira (08/02) da plataforma de Cabo Kennedy, na Flórida, com destino à Estação Espacial Internacional, ISS. O lançamento foi o último disparo de um ônibus espacial a ocorrer no período noturno e o 32º voo com destino ao complexo orbital.

Ônibus espacial Endeavour, após lançado para a missão STS-130 para enviar o módulo Tranquility à Estação Espacial Internacional


Havia a preocupação inicial de que as condições do tempo nas pistas de aterrissagem de emergência não colaborassem e o lançamento pudesse ser suspenso, mas assim que o as condições meteorológicas se tornaram satisfatórias na pista de Zaragoza, na Espanha, os diretores de voo concordaram que não havia mais impedimentos e o lançamento ocorreu às 07h14 pelo horário de Brasília. Dois minutos depois os propulsores de combustível sólido se desprenderam das laterais do ônibus e oito minutos após a ignição era a vez do gigantesco tanque de combustível ser descartado, com o Endeavour entrando na órbita da Terra.

Batizada de STS-130, a missão é composta de seis astronautas que permanecerão no espaço por 13 dias. Durante esse período serão realizadas três atividades extraveiculares – EVAs – com o objetivo principal de anexar à ISS o módulo pressurizado de trabalho “Tranquility”, além de uma cúpula panorâmica de seis janelas, que permitirá melhor capacidade de observações da Terra e do espaço.

A missão STS-130 será comandada pelo coronel George Zamka, auxiliado pelo piloto da força aérea Terry Virts, em sua primeira participação em voos espaciais. As atividades extraveiculares serão conduzidas por quatro especialistas: a capitã da marinha Kay Hire, em seu sua segunda missão, Nicholas Patrick, também na segunda missão, o veterano de três voos Steve Robinson e o tenente-coronel Bob Behnken, também na segunda missão.

Cada um dos passeios espaciais terá duração aproximada de 6.5 horas. O primeiro ocorrerá no quinto dia da missão, quando os astronautas Behnken e Patrick removerão a cobertura de proteção do módulo Unity, que receberá o módulo Tranquility com auxílio do braço robótico. Em seguido os astronautas instalarão quatro sistemas de cabos entre os módulos Unity e Tranquility, necessários à alimentação e comunicação do módulo.

No sétimo dia tem início o segundo passeio espacial, quando os conectores do sistema de refrigeração entre os módulos Unity e Tranquility serão instalados pelos astronautas Behnken e Patrick. Além disso, a dupla de especialistas posicionará uma das faces do módulo Traquility em direção à Terra. Esse procedimento permitirá que a cúpula panorâmica seja reposicionada no próximo passeio espacial.

No décimo dia os mesmos astronautas voltam ao espaço e acionam definitivamente as linhas de refrigeração do Tranquility e os cabos de dados. Em seguida removerão a proteção da cúpula e instalarão os corrimões de segurança ao seu redor.

Da Apollo11

Para mais vídeos da NASA em Alta Resolução, você pode baixar AQUI. (:

Saldão Bota-Fora da NASA! Ônibus Espacial por “apenas” R$51 milhões!

Discovery será 'aposentada' neste ano e entra na promoção da Nasa


A Nasa, agência espacial americana, decidiu fazer um “saldão” de seus ônibus espaciais. Para quem estiver disposto a pagar 28,8 milhões de dólares (51 milhões de reais) é possível comprar naves como a Atlantis e Discovery já fora de uso.

A agência espera vender sua frota a museus, escolas e outras instituições do tipo. Os modelos a venda chegaram a custar cerca de 42 milhões de dólares (74 milhões de reais), mas entraram em promoção para serem vendidos o mais breve possível.

Cerca de 20 órgãos já mostraram interesse em comprar os ônibus espaciais, mas a Nasa espera novas propostas por conta da “liquidação”. Os valores sugeridos pela agência englobam todo o processo de preparação, que permite que as naves sejam expostas ou utilizadas para transporte.

O destino da Discovery deve ser o National Air and Space Museum, que fica em Washington, capital dos EUA. Já a Atlantis e a Endeavour ainda seguem em negociação. A nave Enterprise, um protótipo que nunca foi ao espaço, talvez também seja vendida no “pacote”. As propostas de compra podem ser feitas até o dia 19 de fevereiro e a Nasa deve entregar os ônibus espaciais a partir de julho de 2011.

Missões atuais
Atualmente, os cosmonautas Oleg Kotov e Max Suraev trabalham na plataforma orbital na missão da nave Soyuz TMA-16. A dupla trabalha no módulo Poisk, que servirá para receber naves russas.

Os cosmosnautas serão, inclusive, os primeiros a usar a nova escotilha, quando reposicionarem a nave Soyuz na operação prevista para a próxima quinta-feira (21).

Em Terra, prosseguem os preparativos para o próximo lançamento do ônibus espacial Endeavour. A nave parte em fevereiro para a Estação Espacial Internacional e será o penúltimo voo da Endeavour antes de sua aposentadoria.

Tá esperando o quê?! Tire logo o traseiro da cadeira e corra para comprar o seu ônibus espacial! Já pensou chegar no trabalho e nao ter estacionamento grande o suficiente? Pelo menos vc vai ter uma desculpa pra voltar pra casa!

Sério agora… se eu realmente tivesse dinheiro, certamente eu compraria um 🙂
Aliás… quem não compraria?!